Capela de Nossa Senhora da Glória

Foi mandada edificar pelo arcebispo D. Gonçalo Pereira, em 1332, para o seu túmulo. O túmulo, de estilo gótico, em pedra Ançã, assenta sobre 3 leões foi lavrado pelo mestre Pêro e Telo Garcia. No túmulo destacam-se as edículas que o ornamentam com imagens dos Doze Diáconos e dos Doze Apóstolos. O arcebispo D. Gonçalo Pereira, avó de D. Nuno Álvares Pereira, governou a diocese de 1326 a 1348.

Vista lateral sul da abóboda de nervuras do interior da “galilé”

Pormenor da “galilé”

A “galilé” foi mandada construir pelo arcebispo D. Jorge da Costa II, que governou a Diocese de 1488 a 1501. Podem ver-se sete esculturas em pedra Ançã dos prelados bracarences São Pedro de Rates, S. Martinho de Dume, São Frutuoso e São Geraldo, as dos apóstolos São Pedro e São Paulo e, ao centro, a

Sé Catedral

Classificada como Munumento Nacional, é o mais importante e complexo monumento de Braga. Começando por ser uma importante igreja, como convinha à sede do mais importante arcebispado peninsular, logo no século XII foi acrescida uma bela porta românica, Porta do Sol. No século XIV são-lhe acrescidas as duas Capelas exteriores de S Geraldo, da Glória (onde se encontra o túmulo de D. Gonçalo Pereira, um dos mais belos túmulos góticos do país e a dos Reis (assim chamada por nela estarem os túmulos de D. Henrique e D. Teresa, obra de Nicolau Chanterenne). Gótica ainda, mas já dos finais do século XV, é a bela galilé. No século XVI, D. Diogo de Sousa remodela totalmente a Capela-mor, manda fazer a Pia Batismal.